Me julguem

6

23 de julho de 2015 por Felipe Tavares

Julgar é um ato extremamente chato de se fazer. Só digitar no Google “julgar frases pesquisar” que teremos uma enxurrada de frases de mães tias avós pensadores nos mostrando que esta tarefa é por deveras complicada e incorreta.

Maaas, na gastronomia o julgamento é essencial. Seja nos programas de TV (estou olhando para você Masterchef Brasil), nos rankings de melhores restaurantes, em pratos de um festival e até nas coxinhas gourmets (blergh) da vida.

E, como todo mundo come todo dia e alguns, o tempo todo, nos achamos aptos a esta função de olhos fechados. Saímos ♫ disparando nossa metralhadora cheia de mágoas ♪ por aí sem medir as consequências e, esquecemos, que por trás daquele prato de comida tem uma pessoa que, na maioria das vezes, se dedicou para nos servir da melhor forma possível – do ponto de vista dela.

Lógico que erros e imprevistos acontecem durante o preparo de algum prato e, incompetência também. Mas essa síndrome de Gordon Ramsay que assolou todos os “juízes gastronômicos” pelo mundo tem me assustado bastante. Nem estou falando só de jurados famosos não, incluo nesse bolo também as pessoas “comuns” que vão a qualquer restaurante e saem postando críticas na internet como se tivessem uma experiência e paladar de uma Alexandra Forbes ou de um Luiz Américo Camargo.

gif_gordon

Certa vez fui jurado em um concurso gastronômico de uma cidade do interior e todos os pratos deveriam conter abóbora no preparo. Não sou o maior fã de abóbora do mundo, mas né, ok, fui lá. Alguns preparos eram realmente ruins, mas em nenhum momento fiz careta, cuspi ou coisa do gênero para os que me serviam. Ao contrário de outros que estavam lá. Custa respeitar a pessoa ali do outro lado?

Longe de mim ser contra estes julgamentos e críticas, são através de seus resultados que teremos os famosos rankings, listas, notas no TripAdvisor que nos guiarão para encontrarmos um restaurante excepcional e conhecermos mentes brilhantes como um Thomas Keller da vida.

Uma crítica bem feita e embasada pode inspirar um profissional e dar novos rumos à vida dele. Mas uma crítica mal feita e rasa, pode acabar destruindo o sonho de uma pessoa, afinal, julgar é muito mais fácil do que produzir.

Abraços cheios de saudades,

Felipe Tavares

Anúncios

6 pensamentos sobre “Me julguem

  1. Ludmila disse:

    Por falar nisso, vou julgar seu texto já que não entendo nada de gastronomia. Primo, você escreve que é uma barbaridade. Sensacional! Beijos!

  2. Julieta Lopes disse:

    Felipe, você está coberto de razão. Claro que, na cozinha, às vezes (ou frequentemente) cometemos erros e deslizes. Mas a crítica tem de ser sincera e precisa, nunca grosseira ou agressiva. E isso está virando “moda” . Horrível! Parabéns pelo seu texto.

  3. Vinicius Oliveira disse:

    Oi Felipe te mandei um email pedindo alguns conselhos, mas se nao viu gostaria de saber se o o curso tecnico de cozinha aqui no senac da minha cidade é bom ou se é melhor fazer IGA, muito bom seu blog obrigado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Receba as atualizações do Indo pra Cozinha por e-mail

Junte-se a 312 outros seguidores

Arquivos

%d blogueiros gostam disto: